EM CASO DE ÓBITO: 4020-2358 (disque a partir da sua cidade)
CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CONVENIADO: 0800 024 1150
Empresa Amiga do Idoso!
Ao enviar os seus dados para saber mais sobre o nosso Plano Funerário Familiar, automaticamente, você faz uma doação para o Instituto Velho Amigo.

Como guardar dinheiro ganhando pouco

Você trabalha duro o mês inteiro e sempre tem a sensação de que o seu salário evaporou? Saiba como fazer o seu dinheiro render mais

Ganhar_dinheiro

Todos os dias, você acorda cedo, se dedica ao máximo ao trabalho, volta para casa acabado e mesmo assim a sua conta bancária continua negativa? Se você costuma pensar: "eu tento guardar dinheiro, mas nunca sobra nada” ou “não consigo economizar”, fique tranquilo, você não está sozinho! 

Possivelmente, esta seja a dificuldade mais comum da população brasileira. A impressão de trabalhar intensamente e, ao final do mês, perceber que não sobrou nada para guardar. Ou pior, que o dinheiro evaporou e não deu nem para pagar as dívidas do mês. 

De acordo com uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em 2020,  apenas um terço da população (32%) afirmou que conseguiu poupar parte de sua renda. É fato, guardar dinheiro não é algo muito comum entre os brasileiros. 

Vejamos outro dado. Segundo o estudo realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em 2017, 76% dos brasileiros disseram ser impossível guardar qualquer valor do salário.

Mas calma, não se desespere! Esses dados não são muito otimistas, mas nunca é tarde demais para começar a poupar. Construir um pé de meia não precisa ser um privilégio de quem é rico ou recebe um salário alto. É possível economizar mesmo ganhando pouco. 

Comece a guardar dinheiro aos poucos. Nos primeiros meses, reserve 5% da sua renda. Gradualmente, suba este percentual até chegar ao patamar de 20%. E, antes de iniciar esse processo, saiba que, assim como funciona com uma pessoa sedentária que começou a treinar para participar de uma maratona, os resultados chegam aos poucos e depois de algum esforço. Logo, tenha paciência! 

Entenda que começar a poupar pode ser desafiador

Conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), em 2020, o número de brasileiros com dívidas cresceu. Atualmente, 66,3% dos consumidores estão endividados.

Partindo do pressuposto de que as pessoas não estão conseguindo efetuar o pagamento dos gastos mensais, como esses indivíduos conseguirão juntar dinheiro? Por isso, entenda que é desafiador poupar. A probabilidade de você desanimar ou fracassar no início é alta. Porém, você não deve desistir! Insista até que essa conduta se torne um hábito natural. Guarde nem que seja apenas 10 reais por mês. 

Não espere sobrar dinheiro para guardar 

Quase ninguém tem dinheiro sobrando. Sendo assim, é necessário deixar de lado a postura passiva de esperar para “ver quanto sobra”. Visto que, quando o salário “cai na conta”, a tendência é gastar essa quantia para satisfazer desejos e necessidades momentâneas (como por exemplo, matar aquela fome de Mc Donald’s). Desse modo, geralmente, os trabalhadores gastam tudo no início do mês e no final já não têm mais nada para economizar. 

Por isso, assim que receber o seu salário, transfira para a poupança ou reserve a quantia que você planejou guardar. Não é à toa que tantos especialistas falam da importância de “pagar-se primeiro”. 

O procedimento é fácil: assim que o salário cai no início do mês, você já precisa ter estabelecido quanto vai reservar naquele mês e retirar este dinheiro da conta. Antes de pagar o aluguel, condomínio, IPTU e assim por diante, você se paga primeiro. Com essa técnica, você consegue poupar todo mês e se acostuma a viver com menos do que você recebe. 

Seja realista e economize o que for possível 

O ideal é guardar pelo menos 10% da sua renda todo mês, porém, não tem como fugir da realidade. Por esse motivo, o primeiro passo é compreender quanto entra e quanto sai de dinheiro da sua conta todo mês. Para começar, faça uma lista de todos os seus gastos mensais, desde as contas indispensáveis até o café da manhã na padaria.

Anote tudo! Até mesmo o dinheiro gasto com aquele sorvete, pois os pequenos gastos podem fazer toda a diferença no final do mês. Depois de realizar essa lista, é hora de apurar o que pode ser cortado. Priorize o pagamento das contas essenciais e os parcelamentos. Feito isso, verifique o valor que você pode guardar todo mês. 

Falar sobre plano funerário ainda é um tabu, porém, imprevistos acontecem. Saiba como se planejar financeiramente!

Comece com 10 reais 

Para começar a guardar dinheiro não é necessário ter muito. Pode parecer mentira, mas R$ 10 por mês já bastam. O fundamental é que o valor reservado não prejudique os pagamentos das contas básicas. Às vezes, em um momento de sufoco, aquela pequena quantia pode salvar o seu dia. Logo, não abra mão de começar a fazer uma poupança, ainda que pequena. 

Se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve 

Um dos principais erros ao se iniciar uma poupança é a ausência de foco para lutar pelo que se deseja. Resumidamente, se você não souber, nitidamente, o que quer alcançar, ficará muito difícil elaborar um planejamento para poupar — afinal, você se perguntará: “poupar para quê?”.

Portanto, a primeira etapa para um planejamento financeiro bem-sucedido precisa ser a definição de metas e objetivos de curto, médio e longo prazo.

Coloque todos os seus sonhos no papel e determine períodos de tempo para realizá-los. Para facilitar, deixe esse papel em um local de fácil visualização, para que você sempre relembre o quão importante são esses objetivos na sua vida. 

O segredo para manter a motivação, o empenho e a disciplina para guardar dinheiro é ter um objetivo traçado. Afinal, quando temos um sonho em mente, percorremos 1 milhão de passos se for necessário.  

Diga “não” para o que não é essencial

​​​​​​​Uma boa tática para cortar gastos é verificar o que não tem tanta importância para a sua vida e o que é fundamental. Até porque poupar não pode significar transformar a sua vida em algo cinza, sem alegria. ​​​​​​​Então, analise o seu dia a dia e faça uma lista com o que você gosta muito de fazer. Por exemplo:

  • Almoçar fora
  • Fazer compras no shopping
  • Viajar  

Com a lista em mãos, priorize o que não pode faltar na sua vida. Em segundo lugar, verifique quais são as atividades que você pode investir um pouco menos de dinheiro. Por último, verifique o que você pode cortar.  No momento em que você disser “não” ao que não é importante, sobrará mais verba na sua conta bancária.  À vista disso, você conseguirá engordar a sua poupança. ​​​​​​​Por vezes, você tem um gasto que já se tornou um costume e você nem parou para pensar. Mas ao refletir percebe que é um valor que você pode poupar.

A taxa escondida 

Você costuma prestar atenção nas faturas que paga? Às vezes, há serviços extras nos planos de internet ou TV e você nem sabe. Todavia, essa taxa escondida pode fazer toda a diferença no seu orçamento mensal! Ignorar pequenos gastos é um dos grandes motivos pelos quais não sobra dinheiro para poupar. 

Não ter disciplina

​​​​​​​Normalmente, a ausência de disciplina é um dos principais motivos pelos quais as pessoas não conseguem construir uma reserva financeira. Sendo assim, se você se programou para reservar R$ 100 por mês, não deixe essa tarefa de lado. Seja firme consigo mesmo e cumpra as suas metas. 

Caso surja um imprevisto, verifique de forma muito racional se é algo realmente inadiável e que justifique o não cumprimento do seu planejamento financeiro. Se você costuma pensar: 
 “mês que vem, eu guardo o dobro do dinheiro”, ligue o sinal vermelho! Porque isso não funcionará e você acabará não poupando nunca.

Renda extra

​​​​​​​Outra dica é aproveitar o que você sabe fazer, sejam atividades na cozinha ou com artesanato, para ter um segundo salário. Atualmente, a economia informal é fonte de renda para os que já possuem trabalhos formais. Se antes a renda extra era vista como um comportamento de pessoas menos desfavorecidas, hoje, é uma tendência.

Desafie-se um pouco todos os dias

​​​​​​​Quem disse que guardar dinheiro precisa ser um processo chato? Você pode definir metas para que o hábito de guardar dinheiro seja um movimento divertido. Veja abaixo o exemplo de um desafio: 

Guarde 1 real no primeiro dia, 2 reais no segundo, 3 no terceiro e assim por diante. Ao final de 21 dias, você terá R$ 231. 

Frequentemente, use desafios financeiros para sair da sua zona de conforto. Dessa forma, você prestará mais atenção em seus gastos. 

Invista seu dinheiro 

Investimento não é algo apenas para quem possui um salário elevado. Há aplicações para todos os tipos de perfis. Por exemplo, a renda fixa (Tesouro Direto, CDBs e CDI) é uma ótima opção para quem está começando e ainda não tem muito dinheiro guardado. Com apenas 30 reais já é possível investir e o risco é muito baixo. 

​​​​​​​
Pense no futuro da sua família!

O planejamento financeiro é essencial para o controle dos gastos realizados por toda família. É uma maneira preventiva de se proteger contra dívidas, evitando assim uma série de prejuízos financeiros e emocionais. A pandemia nos ensinou diversas lições, entre elas, a importância dos planos funerários pré-pagos - em que você paga o seu próprio funeral com antecedência. 

Em 2020, os valores de um funeral triplicaram. Porém, os clientes da Amar Assist, que perderam um ente querido durante a pandemia, receberam um funeral completo sem qualquer tipo de alteração em seu orçamento familiar, porque o preço da mensalidade do Plano Funerário Familiar não sofreu reajuste por conta da elevação dos custos dos serviços funerais. 

Planejamento é sempre a decisão mais assertiva e inteligente. Não é à toa que, durante a pandemia, inúmeras famílias perceberam o quanto um plano funerário é essencial. 

Com o Plano Funerário Familiar, você paga menos de R$80 mensais e assegura cremação e sepultamento para a paz dos seus entes queridos. Para mais detalhes sobre nossas coberturas e benefícios, chama no Whats, clicando no botão abaixo: 


Você deseja conhecer nossos planos? Preencha o formulário abaixo!